Topo

GloboNews informa, diverte e assusta em sabatinas com presidenciáveis

Chico Barney

04/08/2018 10h59

(Foto: Reprodução/GloboNews)

A GloboNews apresentou uma maratona cheia de emoções ao longo da última semana, graças às sabatinas com 5 dos postulantes ao cargo de presidente da república. O programa "Central das Eleições", exibido de segunda a sexta, teve Álvaro Dias, Marina Silva, Ciro Gomes, Geraldo Alckmin e Jair Bolsonaro em intensas discussões ao longo de 2 horas por dia.

O formato é ótimo, com uma bancada formada por 9 dos mais respeitáveis profissionais de imprensa especializados em política e economia, cometendo profunda devassa nas gavetas das ideias, propostas e históricos dos candidatos. Miriam Leitão coordena a natural bagunça para qual o debate se encaminha eventualmente, com as presenças iluminadas de Gerson Camarotti, Roberto D'Ávila, Andreia Sadi, Cris Lobo, Fernando Gabeira, Valdo Cruz, Mário Sérgio Conti e Merval Pereira.

Foi bastante elucidativo para quem ainda está indeciso –e acho que quem não está indeciso, está mal informado. Todos os candidatos foram colocados na berlinda, com questões relevantes para o futuro da nação. Deu para ver quais temas são bem desenvolvidos por cada político mesmo sob pressão, assim como suas fraquezas éticas, morais, intelectuais e, em certos casos, cognitivas.

Baculejo Psicológico (Foto: Reprodução/GloboNews)

Por reunir um time tão seleto de participantes, o público telespectador também teve a oportunidade de se divertir, pois toda hora é certa para um pouco de pão e circo. As trocas de gentilezas entre questionadores e questionados, alimentando rusgas clássicas entre imprensa e cidadãos de vida pública, garantiram sorrisos amarelos e risos de nervoso.

No geral, os experientes jornalistas conseguiram enquadrar de maneira objetiva e inteligente seus estimados convidados. Creio que o único que tenha conseguido de fato intimidar a bancada tenha sido Ciro Gomes, que em diversos momentos ativou o modo "boca de gamela" e não se deixou levar (muito) pelas provocações. Outra derrota foi o atrapalhado direito de resposta ao fim da sabatina com Bolsonaro, que havia citado um editorial de Roberto Marinho a favor do golpe de 1964. "Psicografado" por Miriam Leitão pelo ponto eletrônico, deixou claro que foi algo feito às pressas e muito mal conduzido pela direção.

A festa da democracia deste ano é uma animada rave que deve terminar com muita gente de ressaca. Torço para que todos os outros candidatos tenham espaço na poltrona elétrica da "Central das Eleições".

Voltamos a qualquer momento com novas informações.

Sobre o autor

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002

Chico Barney