Topo

Futuro da TV aberta passa pelo retorno do Pânico em novo formato

Chico Barney

24/01/2019 13h47

Foto: Reprodução

O futuro da televisão aberta é o seguinte: muito papo furado em cima do noticiário. Com cada vez menos grana sobrando para investigar e criar conteúdo original, sobra espaço para opiniões, pensatas e bravatas.

Assim sendo, é fundamental que as emissoras abram espaço para quem seja muito bom no tocante a emitir opiniões, pensatas e bravatas. A rádio é uma fonte inesgotável de profissionais que cumprem a missão com sucesso.

Uso como exemplo a Jovem Pan, que preenche a programação com interessantes programas baseados no livre debate de ideias. Do "Morning Show" com Edgard Piccoli e grande elenco, até "3 em 1" e "Pingos nos Is", o modelo adotado é uma bola quicando para falar de atualidades e política também na televisão.

Creio que esta seja a grande brecha para Emílio Surita e a adorável trupe do Pânico retornarem à televisão aberta o quanto antes. No lugar daqueles quadros escalafobéticos que encantaram gerações durante mais de uma década, a aposta deveria ser na versão mais low profile que arrasta multidões para a rádio e o YouTube.

O diferencial é a dinâmica que Surita consegue impor aos acalorados conversês. Concordando ou não com seus pontos de vista, é inegável o faro apurado do apresentador para a mistura de polêmica com entretenimento.

Em vez de movimentar suas equipes apenas em busca dos fatos, a tendência é que a televisão aberta invista cada vez mais nos debates. O Pânico seria mais barato e rentável que boa parte dos programas exibidos atualmente no horário do almoço em qualquer emissora.

Voltamos a qualquer momento com novas informações.

Sobre o autor

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002

Chico Barney